+55 (47) 9662-9389      falecom@hochland.com.br

Quantos anos vive um Pug, você sabe?

Algum momento você já se deparou frente ao seu gorduchinho e se questionou, quantos anos vive um Pug?

A expectativa de vida de um Pug é de 12 a 15 anos de vida, embora alguns Pugs vivem um pouco menos ou um pouco mais. Estudos mostram que os machos vivem é média 12,8 anos e já as fêmeas vivem uma expectativa de vida de 13,2 anos. Lembrando que não se tem regra, um Pug que teve uma vida saudável, pode ser visto chegando até os seus 17 anos.

 

Principais causas de morte da raça Pugpesquisa doenãs Pug

Um estudo realizado durante um período de 20 anos, pela Universidade da Georgia, nos Estados Unidos, analisou as causas de morte de mais de 80 raças caninas. Foram estudados no total 74.556 cães e posteriormente publicado o resultado no Journal of Veterinary Internal Medicine.

Nestas duas décadas de estudo, tiveram mais de 100 Pugs envolvidos.

Os cachorros foram categorizados separadamente, já que nem todos os cães chegaram a idade sênior.

Para cachorros de (1 ano ou menos), os 2 principais motivos foram: trauma e infecção. Seguido por doença congênita.

As 4 principais causas da morte para os Pugs adultos são:

1) Doenças Neurológicas – Esta é a principal causa de morte para a raça Pug. Isso se refere a qualquer transtorno que afeta o sistema nervoso do cão. O sistema nervoso inclui cérebro, medula espinhal e nervos.

O transtorno neurológico mais frequente e fatal observado na raça Pug é a encefalite, conhecida também na sigla americana como PDE (Pug Dog Encephalitis). Esta doença causa uma inflamação do cérebro que, por sua vez, causa convulsão, letargia e perda do controle muscular.

Há muito que se aprender sobre esta doença. No entanto, a pesquisa é lenta devido ao fato de ser uma doença específica e afetar apenas os Pugs.

2) Câncer— Esta é a segunda causa de morte que acomete um Pug . As formas de câncer que mais frenquentemente atingem essa raça são: tumores de pele, tumores mamários, tumores testiculares, câncer de boca e linfoma.

O câncer de pele é o principal câncer que aparece nos Pugs, os tumores de pele são representados por 1/3 de todos os tumores encontrados na raça, sendo os mastócitos que aparecem em maior proporção. Os mastócitos são células que normalmente encontradas em todo o corpo, trabalham para ajudar o cão a responder a inflamações e alergias.

3) Infecção — Esta é a terceira maior causa de morte de Pugs adultos. Nela inclui doenças virais(parvovírus, cinomose), infecção bacteriana, infecções fúngicas(blastomicose, histoplasmose) e doença protozoária (babesiose e leishmaniose).

4) Doença Congênita — Esta é a quarta principal causa de morte para os Pugs, são doenças adquiridas antes do nascimento ou mesmo posteriormente a tal, no primeiro mês de vida, incluindo defeito cardíaco, defeito septal (fluxo sanguíneo inadequado) e estenose (estreitamento anormal de uma passagem no corpo).

 

 

Aumentando a expectativa de vida do seu cachorro.

Alimentação de qualidade: por ser uma raça propensa a obesidade, fator que favorecerá a ter problemas cardíacos, problemas respiratórios, afetar os quadris e as articulações. Manter o peso ideal é muito importante para uma longa vida.

ração PugEscolha um alimento de alta qualidade, sugerimos que você oferte rações com qualidade super premium ou a alimentação natural.

Substitua petiscos gordurosos ou aquele pedacinho do seu biscoito que ama dividir com seu peludo por pequenos pedaços de cenoura, será mais saudável e trará muitos benefícios para os olhos, pele e mucosas.

Mesmo você mantendo seu Pug em uma dieta saudável, dê um suplemento vitamínico e mineral diário, específico para a idade do seu Pug: jovem, adulto ou sênior.

Exercício: Pugs costumam dormir cerca de quatorze horas por dia, mas isso não significa que ele deve estar sempre descansando, procure manter um equilíbrio no tempo de exercício diário, que seja ideal para seu cão. Sabemos que um Pug sedentário não será um cão saudável.

Nos dias quentes, caminhe nos horários mais frescos, pela manhã (antes das 10 horas da manhã) ou no final da tarde (após as 5 horas da tarde), aproveite durante o passeio em fazer uma pausa para descansar na sombra e ofertar água para seu Pug.

Limpeza diária: com todas essas rugas e aquelas orelhas para cuidar, a higiene adequada é vital para manter a pele saudável e evitar a infecção da pele.

Cuidar dos dentes também é importante, uma vez que as infecções na boca pode se espalhar para a corrente sanguínea, se não for tratada adequadamente. A medida que o Pug envelhece, ele vai perdendo seus dentes se uma boa higiene bucal não for realizada ao longo da vida.

Checkups — A maioria dos tutores, segue a risca as visitas ao veterinário quando o Pug é ainda um filhote, porém, a medida que o filhote cresce muitos julgam que não seja mais necessário, apenas em casos urgentes. Os exames anuais são muito importante para manter um Pug sadio.

Há uma série de problemas de saúde que é possível ser diagnosticado, antes mesmo que o proprietário observe. Um tratamento realizado logo que surge o problema é mais efetivo.

Pugs adultos é recomendado uma visita anual e os idosos (Pugs acima de 8 anos) devem ser consultado 2 vezes ao pelo seu veterinário.

O que muda quando meu Pug ficar idoso

O Pug entrará na idade sênior, lá pelos seus 7 a 9 anos. A mudança da fase adulta para a idade sênior é tão gradual que alguns proprietários não percebem, sendo necessário as adaptações a serem feitas para atender as novas necessidades de seu Pug.

pug idoso hochland

Algumas mudanças

Estrutura física — A estrutura do corpo de um Pug idoso, como forma de barril, coloca muito peso e estresse nos quadris, pernas e joelhos. Para muitos idosos, a artrite também é um problema.

Podem se sentirem incomodados em subir escadas e descer, caminham mais devagar e suas pernas ficam mais rígidas. Neste momento os medicamentos podem ajudar com as dores nas articulações, uso de camas para cães ortopédicos e / ou rampas também pode ser útil.

Perda da audição — Momento difícil tanto para o cão quanto para os donos. À medida que o seu Pug envelhece, a dificuldade de escutar poderá surgir.

Você poderá ensinar alguns sinais com a mão para facilitar o entendimento do seu Pug em relação com o que você quer que ele faça.

Ganho de peso e perda de músculos — Comum com seres humanos e caninos, com a idade chegando o corpo envelhece as gorduras aumentam e os músculos são perdidos. Enquanto seu veterinário permitir, mantenha o exercício diário que é importante nesta fase.

Outra questão é que a gordura não apenas aumenta, ela realmente se move. Para um cão que está envelhecendo, as células de gordura que costumavam estar localizadas perto das superfícies da pele, lentamente se moviam mais a fundo no corpo, mais perto dos órgãos vitais. Manter seu Pug com uma dieta saudável o ajudará a atingir sua expectativa de vida estimada.

Ajudar seu Pug a viver feliz nos seus últimos anos é muito simples. Tudo o que será necessário é um pouco de amor e dedicação.

 

E você, gostou do nosso texto? As informações foram úteis para você? Deixe sua opinião nos comentários!

Publicado em

18 comentários

  1. Magdalena Campos Bueno em 18 de março de 2018 às 10:55 pm

    Muito útil.

    • André Diego Ulrich em 22 de março de 2018 às 3:51 pm

      Muito Obrigado Magdalena Campos Bueno, ficamos felizes em saber que tenha gostado e lhe ajudado ! Abraço

  2. Daniel Areco em 25 de março de 2018 às 4:08 pm

    Lamentavelmente perdemos o nosso nessa semana, 20/03/18, por complicações de uma infecção de pele causada por reação a medicamentos (farmacodermia). Ele tinha 2 anos e meio, era acometido de encefalite (doença terrível de pugs), e fazia uso contínuo de 3 medicamentos já há 1 ano. Foi muito doído para nós!

    • André Diego Ulrich em 26 de março de 2018 às 4:14 pm

      Lamento pela sua perda do seu PUG Daniel e imagino o quanto esteja sendo difícil, um dia todos nós nos reencontraremos lá no céu e será motivo de muita festa ao reencontrar nossos gorduchos.

      Infelizmente as estatísticas apontam para a Encefalite como a principal causa mortis para a raça Pug, ela pode ser evitada através de seleção genética realizada por bons criadores da raça, em nosso canil para evitar a encefalite, estamos realizando em nossos cães exames em laboratórios de extrema confiança nos Estados Unidos, exames para (encefalite) mais conhecido como Pug Dog Encephalitis (PDE), assim garantindo as novas famílias dos pequeninos que nossos filhotes não sejam propensos a doença e ficarem mais tranquilos.

      Prometo a você em fazer em breve um artigo bem completo para auxiliar os novos tutores sobre a doença que acomete milhares de Pugs anualmente, o que pode ser feito e como auxiliar seu amigo nesse momento difícil, logo que diagnosticado a doença. Acredito que você fez o que podia ser feito, a Encefalite é uma doença muito agressiva, rápida e infelizmente ela é irreversível!

  3. Anderson Esper em 12 de setembro de 2018 às 7:18 pm

    Gostei da forma carinhosa que o texto traz sobre o envelhecimento deles. Tenho um pug, o Rui está com 12 anos e está passando por dificuldades de curar uma pneumonia. Já entrando no 4 mês de tratamento com várias linhas de antibióticos e inalações recomendadas pelos veterinários. Mas a tosse as vezes aumenta as vezes diminui, quase some, no entanto o cão sente muito cansaço e dificuldades de respirar, com respiração curta, ofegante, vê-se o movimento do diafragma e com chiados…..tentativas de expelir catarro, mas agora não sai mais… bom estamos lutando… no caso de não haver mais outros remédios, pensei até utilizar chás, infusões, mas certamente se ajudarem serão de mais longo prazo… associado a isso, começou fraqueza nas pernas e dificuldades de levantar sozinho em pisos mais lisos, fiz rampas, etc…

    • André Diego Ulrich em 22 de novembro de 2018 às 6:37 pm

      Obrigado por nos escrever Anderson, fico feliz que gostou do nosso blog e espero poder ter ajudado a tirar algumas dúvidas meu amigo e obrigado também por compartilhar um pouco da sua história e do Rui, desejamos muita saúde para seu amigão… infelizmente a idade também chega para esses seres indescritíveis e com ela vem alguns problemas, nunca esqueça que estamos aqui caso precisar, temos um montão de conhecimento para compartilhar caso precisar de alguma ajuda especifica, estaremos disponível. Abração da família Hochland.

  4. Vicente Andrade em 6 de novembro de 2018 às 3:51 pm

    Olá André… perdemos nossa Suzy pela PDE também, o veterinário que nos atendeu disse que era uma doença incurável e também rara. Mas ela então não é rara? Acontece muito? Temos a Malú agora e estamos com muito medo de acontecer novamente. A criadora que compramos afirmou que nunca soube de nenhum caso nas ninhadas dela, e que o cruzamento não acontece entre consanguíneos. Mas tem como evitar? Podemos fazer algo?

    • André Diego Ulrich em 22 de novembro de 2018 às 7:45 pm

      Olá Vicente, estamos estudando a todo vapor sobre PDE, o que a literatura nos passa é que apenas 2% dos Pugs apresentam a tal doença, como criador e experiência nestes anos todo na raça Pug, acredito que seja muito superior a esta porcentagem, aumentou muito os números de casos nos últimos anos. Suzy foi mais uma vítima da doença, lamento de coração por ela.

      Infelizmente não deveria ser comum, mas a raça Pug vem tendo um aumento muito grande de criadores amadores e tutores que reproduzem seus próprios cães sem critérios e se seleção o aumento da doença ocorre naturalmente.

      A preocupação que tens me chamou a atenção há alguns anos e o seu veterinário está correto, PDE é irreversível, não há relatos de tratamentos na atualidade com sucesso, infelizmente. Alguns casos que acompanhei, o uso de alguns medicamentos associados e prescritos por veterinários aliviaram alguns sintomas mas a cura ainda não é possível e dói em falar isso, mas essa doença trás muito sofrimento para inúmeras famílias todos os anos.

      A boa notícia é que possível sim erradicar ela! Nós dos canil Hochland nos preocupamos e iniciamos exames para a doença ainda em 2017 em laboratórios nos Estados Unidos e estamos em fase de conclusão do exame, onde está sendo realizado em todos os nossos Pugs. Hoje o canil Hochland é livre de PDE e comprovamos, todos os nossos cães que realizamos até o momento são negativados para a doença e garantimos em contrato as novas famílias.

      Outra questão é que se o cão ainda for portador do Gen, não se tem garantia que a doença irá se desenvolver em algum estágio da vida dele. Como a doença tem muito a se explicar, prometo em fazer um artigo especifico sobre ela e poder lhe ajudar a entender um pouco mais sobre ela. Caso preferir posso indicar um lab no Brasil que conhecemos e realiza o exame, quanto a Malú eu tenho fé que ela não terá e te dará alegria por muitos e muitos anos. Um abraço

  5. Glaucia em 26 de novembro de 2018 às 7:11 pm

    Olá! Tenho um pug chamado Thor de 9 anos e meio de idade. É a minha grande paixão. Sempre foi muito ativo e saudável. Mas desde março detectamos uma displasia coxofemural. Pelo que entendi é tipo uma artrose no quadril, não é isso? Desde então ele toma um remédio diário para a articulação e estava reagindo muito bem. Mas de 1 semana pra cá tenho notado um desequilíbrio maior na parte traseira dele além de estar andando um pouco mais devagar.
    Vocês acham que fisioterapia e acupuntura ajuda nesses casos? E que outros cuidados devo tomar para não piorar a situação? Vale dizer que ele não é um cão obeso e nem sedentário.
    Estou muito triste com isso. Ele sempre foi tão bem disposto que tem sido difícil eu lidar com isso e imagino que pra ele também.

    • André Diego Ulrich em 30 de dezembro de 2018 às 10:30 am

      Olá Glaucia,
      Perfeito, era o que recomendaria, o uso de suplementos para as articulações (CONDROITINA) e execício, você está no caminho certo e não pare! Quanto a displasia boa parte dos Pugs apresentam, me arriscaria em dizer que talvez 99% dos Pugs apresentam um grau se colocarmos em uma mesa de raio x, alguns mais leves e outros com um grau mais elevado, o que vemos é que Thor acaba de entrar na 3a idade e as articulações já não são mais as mesmas de um jovenzinho e com um grau displásico representativo pode influenciar na qualidade de vida daqui em diante, fazendo a tarefa de casa ele terá um velhice tranquila. Não pare com os exercícios e se ele puder fazer curtas caminhadas todos os dias pela manhã e final da tarde recomento também, a acupunturara e fisioterapia verá uma grande melhora em pouco tempo, o importante é ir acompanhando com um Vet o desenvolvimento dele nesse momento e sentir como ele responde aos exercícios, caso veja que esteja sendo desconfortável e sentindo dor peço não force e readeque para o limite dele com o tempo poderá ir aumentando a quantidade de exercício. A regra é, neste momento quanto mais execício melhor.

  6. Cecília B Bengozi em 27 de novembro de 2018 às 7:57 pm

    Adorei 😍 obrigada por informar 🙏

    • André Diego Ulrich em 30 de dezembro de 2018 às 10:31 am

      Muito Obrigado Cecília 😍😍😍

  7. Rafael Bueno em 27 de novembro de 2018 às 10:22 pm

    A otite pode causar encefalite?
    Meu Pug está com otite e fazendo tratamento com antibióticos a quase 1 ano. A doença se agravou e ele ficou com a cabeça caida para o lado do ouvido em tratamento e ele estava caído ao andar como se estivesse tonto.
    A Veterinaria disse q poderia a otite grave ou Encefalite. Mudamos o tratamento e passamos a usar cefalexina, Prednisolona e enrofloxacino. Ele melhorou e está bem!

    • André Diego Ulrich em 30 de dezembro de 2018 às 10:07 am

      Olá Rafael,

      Otite não causa encefalite! Quanto a isso, poderá ficar tranquilo, a Encefalite em Pug é uma predisposição genética e os sintomas são diferentes. A Otite canina é mais comum que você imagina, porém pode ter origem de vários fatores como bactérias, fungos, ácaros, entre outros. Na raça Pug pelo formato da orelha manter o conduto auditivo bem tampado e predisposto a ter umidade, apresentam maior predisposição para terem otite. Rafael acredito que no caso do seu Puguito, seja uma otite cronica, será necessário identificar qual causador da otite para entrar com a medicação certa, acredito que estejas no caminho de encontrar a cura por estar com acompanhamento de um veterinário. Fico a disposição para lhe ajudar.

  8. Caroline em 4 de dezembro de 2018 às 1:58 pm

    Perdi a minha filhinha Duda há 1 mes e estou despedaçada. Ela só tinha 3 anos e os exames (ultra e hemograma) não apresentaram nenhum problema.
    Porém, uns 25 dias atras ela havia sofrido uma convulsão e começou a fazer o tratamento com o gardenal. Mas quase um mes depois, ela acordou fraquinha e foi piorando, e em 4 dias ela se foi.

    Nesse meio tempo, levei em 5 veterináros e ninguém conseguiu fechar um diagnóstico.
    Seria a encefalite?

    • André Diego Ulrich em 30 de dezembro de 2018 às 10:36 am

      Bom dia Caroline,
      Seria necessário mais alguns exames para concluir um diagnóstico, todos os dois exames não são conclusivos para Encefalite. Mas tudo leva a crer que sim, um dos sintomas que pode aparecer é convulsão e pelo tempo que descreveste é muito semelhante com a ação da Encefalite, ela costuma ser muito rápida, sem muito tempo para um diagnóstico e optar por tentativas de tratamento.

  9. Miryan s c l de moraes em 18 de janeiro de 2019 às 9:28 am

    Minha pug negra foi sacrificada hj….. terrível…. 8 anos, apareceu uma lesão no olho tipo uma unhada , levei imediatamente no veterinário …. recomendou a retirada do globo ocular… mas na hora que abriu era larvas de mosquito que atingiu o cérebro , o veterinário recomendou sacrificar pois o cérebro ficou comprometido…. chocada

    • André Diego Ulrich em 21 de janeiro de 2019 às 9:18 pm

      Olá Miryan, lamento, só ficou uma dúvida, você não viu sinais nos olhos dela com antecedência? Normalmente uma lesão ocular como esta é bem visível e deve ser tratado com urgência, quando identificado pelo tudor quando for realizado a limpeza ocular diárias de um Pug. Acredito que estivesse em um estágio muito avançado quando consultado pelo seu Vet, para ter chegado no cérebro, porém costuma ser rápido estes casos, em muitos poucos dias, lamento Miryan, espero que estejas bem.

Deixe um Comentário